CHÁ VERDE na GRAVIDEZ: faz bem ou é prejudicial?

É muito importante acompanhar a saúde das gestantes para garantir a saúde da mamãe e do bebê. Por essa razão, torna-se fundamental controlar os alimentos e substâncias que entram no corpo da mulher para assegurar que não são prejudiciais para a saúde.

Uma substância que gera algumas dúvidas entre as gestantes e especialistas de saúde é o chá verde. Continue lendo e descubra se esse chá é ou não indicado para gestantes e mulheres amamentando.

cha-verde-na-gravidez

O que é chá verde? Muito resumidamente, o chá verde é um tipo de chá produzido a partir da infusão das folhas de uma planta chamada Camellia sinensis. Quando as folhas da planta entram em contacto com água quente as suas propriedades passam para a água.

Os benefícios do chá verde para a saúde são muitos e resultam das suas conhecidas propriedades antioxidantes – incluem a prevenção do câncer, estimular o sistema imunológico, melhorar a saúde do coração, ajudar a digestão, reduzir o colesterol, promover a saúde dental, diminuir os níveis de açúcar no sangue e é também sugerido o chá verde para emagrecer.

Os efeitos colaterais do chá verde durante a gravidez

Seria de esperar que uma bebida com tantos benefícios também fosse indicada para gestantes, no entanto, de acordo com alguns estudos, beber muito chá verde durante a gravidez não é bom.

A cafeína e a epigalocatequina galato (EGCG), um poderoso antioxidante, são as principais substâncias desse chá e as grandes responsáveis dos seus benefícios para a nossa saúde.

Contudo, segundo alguns estudos, essas duas substâncias também podem ser responsáveis por alguns problemas que colocam em risco a saúde do bebê:

Cafeína

A cafeína é uma substância estimulante – aumenta a pressão arterial e frequência cardíaca – algo que não é positivo durante a gravidez.

A cafeína pode atravessar com alguma facilidade a barreira da placenta e entrar no organismo do bebê. Você pode ser capaz de processar uma boa quantidade de cafeína, no entanto, o metabolismo do bebê ainda está em desenvolvimento e não consegue metabolizar completamente a cafeína. Isso pode afetar o bebê e causar alterações no seu sono.

O consumos excessivo de cafeína na gravidez também está associado a maior risco de aborto, do bebê nascer antes do tempo e com baixo peso.

Epigalocatequina galato (EGCG)

Esse poderoso antioxidante contém muitos benefícios para a saúde. No entanto, durante a gravidez, o EGCG pode causar alguns problemas, uma vez que pode interferir com a absorção de alguns nutrientes, principalmente o ácido fólico. O ácido fólico é muito importante durante a gravidez, pois pode ajudar na prevenção de defeitos congênitos no tubo neural.

Quantidades e considerações a ter em mente

Embora não exista uma recomendação oficial é consensual entre os especialistas que o consumo excessivo de chá verde na gravidez pode ter consequências negativas para sua saúde e do bebê.

A maioria dos especialistas não recomenda que as gestantes consumam mais de 150 a 200 mg de cafeína por dia – Uma xícara desse chá contém cerca de 40 a 50 mg de cafeína, em comparação com o café que contém 100 mg.

Você pode limitar o consumo de chá verde a essas quantidades ou pode eliminar completamente durante a gestação. Na nossa opinião, em caso de dúvida é melhor não arriscar e o melhor será mesmo suspender o consumo desse chá durante a gestação. A decisão é sua.

Deve também ter cuidado com outros produtos, como refrigerantes, que também podem conter cafeína.